fbpx

Calibragem de pneu de bicicleta: pronta para o pedal!

Todo amante do pedal sabe que é necessário uma boa calibragem de pneu de bicicleta, não é? Caso contrário, esses dificultarão um bom deslize e aderência nos solos, além de poder causar, até mesmo, quedas.

Deixá-los muito cheios ou murchos não proporcionam uma boa experiência de pedal, justamente porque sua mobilidade fica reduzida e mais perigosa. Mas, para fazer uma boa calibragem, seja qual for o nível de experiência do ciclista, é sempre importante seguir as diretrizes recomendadas para a pressão dos pneus.

Se você não tem tanta prática nisso ou quer aprender mais, acompanhe esse texto, vamos te explicar tudo!

Por que calibrar corretamente os pneus?

Já tentou andar de moto ou de carro com os pneus muito cheios? É possível observar, nesses casos, que esses veículos não absorvem completamente os impactos e perdem a aderência com o asfalto, além de desgastá-los mais rapidamente. E quando estão muito murchos, as rodas podem até estragar.

Com a bicicleta, é o mesmo caso. Sejam eles murchos ou muito cheios, atrapalham no deslize. E se você anda com ela várias vezes na semana, é importante manter sua manutenção da forma correta, certo?

A pressão deles é um componente essencial para aproveitar ao máximo o seu desempenho. Há um número de variáveis que entram para entender o intervalo ideal para a bicicleta.

A máxima pressão não é a qual ele explodirá como um balão, visto que isso pode depender mais do aro: alguns modelos suportam mais pressões altas, outros não, mas nada de colocar a culpa no fabricante! Algumas questões estão fora de seu alcance.

As empresas não têm como saber com quais rodas você, consumidor, estará equipando sua bike. Consequentemente, suas pressões máximas recomendadas tendem a ser conservadoras para evitar problemas, por isso é sempre importante você saber uma média, não importa qual bicicleta use, da pressão recomendada para o seu tipo de aro.

Como saber a quantidade de pressão que eles aguentam?

Como já dito, existem alguns requisitos que devem ser atendidos no momento da calibragem. Esses são importantes para evitar erros, considerando que não há preto no branco quando se trata de encher as câmaras de ar.

Enquanto a pressão máxima é uma proteção contra a força da roda, deixando-a mais resistente a furos e, em sua maioria, evitando deslizes por ultrapassar o exigido, a mínima recomendada é uma proteção para você, o piloto. Se ela for muito baixa, o pneu pode se contorcer, rolar para fora do aro ou vazar o ar.

As diretrizes de pressão dos fabricantes podem orientá-lo, mas será preciso fazer algumas experiências para descobrir qual funciona bem para você.

As variáveis que afetam o desempenho dos pneus podem ser divididas em seis categorias e você pode contabilizá-las considerando seus dados, coisa que a marca não consegue fazer.

6 variáveis: encontre a pressão perfeita para seus pneus!

Se você é perfeccionista e valoriza o bom desempenho de sua bike e o seu próprio na hora de pilotá-la, deve ter sempre em mente os valores para fazer os cálculos corretos e, assim, escolher a pressão certa para calibrar os pneus. Confira o que pode interferir:

1. Peso do ciclista

O desempenho de um pneu a uma determinada pressão é relativo ao peso do ciclista. Por exemplo, pilotos de MTB de 75 kg podem achar que 35psi em um de 29×2,30 fica muito duro e não dá tração. Por outro lado, um ciclista de 110 kg pode achar que essa pressão é muito baixa, o que resulta em uma contorção desse.

Ciclistas de estrada com o mesmo peso do anterior (110kg) podem podem usar 100 psi em suas bicicletas, agora um com 20 kg a mais deve colocar em torno de 120 psi de pressão neles.

Já viu que é muito relativo quanto aos tipos de bicicletas e as modalidades para as quais elas são usadas, não é? Por isso, é importante saber qual bicicleta é ideal para a sua altura e peso.

2. Volume

O volume e a pressão dos pneus andam de mãos dadas. Por exemplo, 35psi em um de 700x25mm farão com que eles pareçam quase planos, enquanto 35psi em um modelo de 26×3.80 ficarão bem maciços ao toque, fazendo com que a roda não absorva os impactos diante das irregularidades de uma trilha.

3. Terreno

Isso aqui é um fator importante a se considerar. Você é praticante de MTB em trilhas? Gosta de pedalar na estrada? Usa apenas para passeio? Tudo isso interfere diretamente na escolha do enchimento ideal das câmaras para que te proporcionem melhor aderência ao solo, evitando acidentes.

4. Estilo de pilotagem

Como você anda é tão importante quanto o local que circula. Quanto mais agressivo for o seu estilo, a probabilidade de colocar mais pressão nos pneus será maior. Ou você é do tipo que anda de leve e é menos pesado? Então, será menor do que o caso anterior.

Você tenta escolher a linha mais limpa, ou prefere avançar de forma agressiva? Você mantém suas rodas no chão, ou gosta de saltos e manobras radicais? Pense em todas essas perguntas para entender qual é a ideal.

5. Largura e tamanho do aro

Isso desempenha um papel fundamental para determinar quão baixo você pode ir sem sacrificar o desempenho.

Um aro largo faz um trabalho melhor de suportar impactos do que um estreito, por exemplo, um aro 26 com 50 a 54 mm, geralmente, precisa de 35 a 45 PSI. É importante sempre consultar uma tabela para saber esses valores de modo mais completo.

6. Construção de sua estrutura

A maneira como a carcaça desse acessório é feita afetará sua sensação a uma determinada pressão da mesma maneira que seu peso. Itens com revestimento alto de TPI (fios por polegada) são, comumentemente, mais flexíveis do que aqueles com baixa contagem de TPI.

Você pode achar que precisará aumentar a pressão dos pneus ao trocar por um equipamento com TPI baixo para um com uma contagem de TPI mais alta e vice-versa.

Além disso, os modelos que apresentam paredes laterais mais rígidas e reforçadas, bem como os tubeless/UST, podem precisar ser calibrados com pressões mais baixas para atingir o mesmo nível de desempenho que aqueles com carcaças mais finas e mais flexíveis.

Escolher a pressão dessa parte tão importante de maneira correta é tanto uma arte quanto uma ciência. Mantenha esses seis fatores em mente e faça experimentos. Certifique-se de sempre levar uma bomba nos pedais e, se possível, um medidor para ajudar a encontrar o seu número perfeito.

Você encontrou uma que funciona bem para suas especificações de pedal? Comente conosco a sua configuração, em quais terrenos pedala, peso e pressão do ar. Queremos saber suas experiências!

Outra dica, adquira sempre esses itens em lojas credenciadas, que vão lhe orientar em caso de dúvidas, fornecendo todas as garantias de procedência que só os produtos originais possuem.

Gostou desse conteúdo? Não deixe de ficar ligado para conferir muitos outros, extremamente importantes para seu pedal. Até a próxima pedalada!

Visite a loja da bikerunners! Temos tudo que você precisa para ser um ciclista. Comece a pedalar!
Anterior

Código de trânsito para ciclistas: direitos e deveres no Brasil

Trilhas de bike: as melhores de todo o Brasil

Próximo